Paranapiacaba, 7 dicas sobre passeio de trem e 9 lugares para você conhecer na vila

postado em: Brasil | 7
99 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 99 LinkedIn 0 Filament.io 99 Flares ×

Paranapiacaba é uma vila pertencente a Santo André. Fundada no final do século XIX, com a função de ponto estratégico para a construção da estrada de ferro ligando Jundiaí a Santos. No início havia apenas barracas improvisadas para os operários, com o tempo foram sendo construídas casas de pau a pique (explico um pouco sobre este tipo de construção neste post).

A construção da estrada de ferro, a partir de Paranapiacaba durou sete anos e tem 139 km de extensão.

Paranapiacaba
Paranapiacaba

 

Passeio de Trem – Expresso Turístico Paranapiacaba

Cheguei a Paranapiacaba com o Expresso turístico Paranapiacaba. Para conseguir fazer este passeio de trem é preciso muita perseverança…rs. Fiz o passeio no dia 11/10 e comprei as passagens em agosto. Abaixo algumas dicas e informações.

Expresso Turístico Paranapiacaba
Expresso Turístico Paranapiacaba

 

  1. Entre no site da CPTM, para acompanhar a abertura da venda do passeio de trem neste link, ou ligue 0800 055 0121;
  2. Olhe se possível todos os dias, pois não há data definida para abertura das vendas;
  3. Assim que estiverem abertas as vendas, vá até a estação da Luz para comprar a sua passagem. A procura é muito grande e as passagens esgotam no mesmo dia;
  4. Em São Paulo a venda é feita na estação da Luz. Outro ponto de venda é a estação Prefeito Celso Daniel em Santo André. Não são vendidas pela internet;
  5. As passagens tem o valor de R$ 39,90 individual e R$ 59,90 dupla;
  6. O passeio de trem Expresso Turístico Paranapiacaba, acontece aos domingos. Sai da estação da Luz as 8h30. É necessário chegar ao local as 8h00. Faz uma parada em Santo André para pegar passageiros;
  7. A venda da passagem é feita no guichê do metrô, próximo a saída para a Pinacoteca e Museu da Língua Portuguesa, leia sobre estes lugares neste post.

Durante a viagem um dos tripulantes do trem vai contando a história sobre os lacais por onde o trem passa.

Vista da ferrovia
Vista da ferrovia

O que ver em Paranapiacaba

Bem no dia que estive lá, quase não vi nada…rs, explico. Estava uma neblina mega, ultra densa, o raio de visão era de 5 metros, se muito. Mas não se assuste, foi possível ver tudo o que eu queria.

Casa Fox - Paranapiacaba
Casa Fox – Paranapiacaba

Não desanime caso você também seja recebido por esta neblina. Sempre que o sol saía de traz das nuvens, a neblina diminuía. Algumas vezes até sumia e era possível ver melhor…rs.

1 – Casa Fox: é uma construção em estilo inglês. Data do final do século XIX e era utilizada como moradia dos operários da construção da estrada de ferro. O nome dado a esta casa é uma homenagem ao Engenheiro inglês, Daniel Mackinson Fox. Ele veio ao Brasil em 1856, para realizar os estudos para a construção da ferrovia;

2 – Clube União Lira Serrano: um dos primeiros clubes criados na vila, onde acontecem shows de música e bailes;

3 – Antigo Mercado: antigo empório onde os operários compravam seus mantimentos e que hoje foi transformado em Centro Cultural;

4 – Museu Castelinho: residência do engenheiro chefe da ferrovia. Esta casa era utilizada tanto como moradia do engenheiro, quanto escritório e ponto de visualização dos operários durante a construção. É possível fazer uma visita guiada a casa. As visitas ocorrem aos sábados, domingos e feriados, das 10h00 as 16h00. A entrada custa de R$ 3,00. De terça a sexta as visitas somente são possíveis mediante agendamento pelo telefone (11) 4439-1318;

Museu Ferroviário - Paranapiacaba
Museu Ferroviário – Paranapiacaba

5 – Museu Ferroviário: é um local muito interessante, onde é possível conhecer locomotivas e casa de máquinas antigas. O acesso ao museu é feito pela passarela que passa sobre os trilhos da ferrovia. As visitas são aos sábados, domingos e feriados das 10h00 as 16h00. Durante a semana somente com agendamento prévio pelo telefone (11) 2695-1151, a entrada custa R$ 5,00. O passeio de Maria fumaça não estava funcionando, pois o trem estava em manutenção.

6 – Igreja Senhor Bom Jesus: construção de 1884, é ponto de referência no alto da vila. Uma igreja simples, mas que vale a pena conhecer. Para acessá-la atravesse a passarela e siga a esquerda, suba a rampa a direita, no final estará a igreja e o cemitério.

Réplica do Big Ben - Paranapiacaba
Réplica do Big Ben – Paranapiacaba

7 – O Relógio: este relógio foi construído para regular os horários de saída dos trens e para que os operários não perdessem o horário de trabalho. Ele foi construído nos moldes do Big Ben de Londres. Foi o único monumento que restou da antiga estação ferroviária de Paranapiacaba depois do incêndio de 1981. Quase não consegui vê-lo devido a neblina, mas nada que um pouco de fé não resolva. O sol apareceu por alguns instantes e consegui avistá-lo.

8 – Passeio de trem (trenzinho): próximo a Casa Fox, em frente a padaria, fica um trenzinho, que faz um tour pela cidade. O motorista vai mostrando os principais pontos turísticos, com algumas paradas, o valor do passeio é de R$ 10,00 por pessoa.

9 – Festival de Inverno: ocorre normalmente em julho, no final do mês. Neste evento são apresentadas bandas, oficinas de artes e dança, nos palcos do Mercado, Clube Lyra e também na Rua Direita. Para mais informações sobre o Festival de Inverno entre em contato pelo telefone (11) 4439-1300 / 4439-1316 / 4439-1318.

 

Maria Fumaça

Onde Comer em Paranapiacaba

Bem na parte baixa da vila há muitos bares, lanchonetes e restaurantes. Almocei no restaurante Cantinho do Beija Flor, comida simples feita no fogão a lenha, no valor de R$ 20,00 por pessoa e você se serve a vontade.

Paranapiacaba trilhas

A vila oferece várias trilhas para conhecer um pouco da Serra do Mar. Estes passeios são conduzidos por monitores da Associação de Monitores Ambientais de Paranapiacaba.

Existem várias trilhas com os mais diferentes níveis de dificuldade, que vão de 1 a 15 km de distância.

Infelizmente não consegui fazer nenhuma das trilhas, pois a neblina estava realmente muito densa, mas pretendo voltar em breve para conhecer um pouco da Serra do Mar.

O valor dos roteiros, trilhas, variam de R$ 15,00 a R$ 55,00. Também é possível agendar o passeio incluindo parada para almoço acrescentando R$ 22,00 ao valor do passeio.

Para obter maiores informações sobre as tilhas e agendar com os monitores ente em contato pelo telefone (11) 4439-0155.

Paranapiacaba é uma vila muito simples, mas riquíssima em história, construções antigas e belezas naturais. Infelizmente a vila não foi preservada como deveria, tendo muitas construções bastante deterioradas.

Igreja Senhor Bom Jesus - Paranapiacaba
Igreja Senhor Bom Jesus – Paranapiacaba

Durante minha visita a monitora do Museu Castelinho nos informou que o Governo Federal, enviou verbas a prefeitura de Santo André para restauração da vila.

Vi algumas obras de restauro iniciadas, como a Antiga Escola Senai e também a estação onde normalmente o Expresso Turístico de Paranapiacaba chega. Mesmo não estando muito bem conservada vale muito a pena a visita.

Bem estas são algumas dicas sobre Paranapiacaba, uma forma de diversão com baixo custo e com diversão garantida. Apesar de eu ter comentado sobre a neblina, ela atrapalhou um pouco, mas também deu um ar misterioso ao passeio. Se gostou das dicas, se tem outras dicas diferentes, ou está com alguma dúvida, deixe seu comentário aqui embaixo, responderei com prazer.

 



Booking.com

99 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 99 LinkedIn 0 Filament.io 99 Flares ×
Seguir Alessandra Lima:

SEO e Editora

Sou Alessandra, uma pessoa apaixonada por viagens. Sou formada em Comércio Exterior e escrevo o blog De Cá Pra Lá desde 2014. Adoro ler e tirar fotos, principalmente das paisagens dos novos lugares que conheço. Seja bem vindo ao blog De Cá Pra Lá.

7 Respostas

  1. Carnaval está chegando, férias a vista.

    • Alessandra Lima

      Olá Santiago, férias, carnaval, verão, tudo acontecendo, e aqui no blog muitas dicas de praias e lugares especiais para curtir.

  2. Bom site amigo.

  3. Gilmar Gomes

    Interessante o artigo.

Deixe uma resposta